Pular para o conteúdo principal

cocos, sambas, bailados...

Cocos do Norte
“Responda esse coco com palma de mão
Isso é coco do norte, nunca foi baião”
Rosil Cavalcanti

Afinem a mente e os quadris, pois os tambores e as cordas já estão a postos: batuques, sambas, bailados... Cocos do Norte. Um misto de “sotaques” bem brasileiros, com as influências mais diversas.

O título é uma alusão à música “Coco do Norte” do compositor paraibano Rosil Cavalcanti (parceiro inestimável de Jackson do Pandeiro) cujo refrão consta em epígrafe. Com essa música Rosil dava uma resposta enfática à possível invenção de um estilo musical chamado “Baião”, que consagraria Luiz Gonzaga como “Rei”.

A peleja começou nos idos dos anos 1940, quando o exímio sanfoneiro surgiu no Rio de Janeiro tocando ritmos por demais conhecidos do público “nortista” (cocos, xotes, xaxados etc.), acompanhado por zabumba e triângulo (vindos de Pernambuco para compor o hoje tradicional “trio nordestino”). A imprensa carioca “batizou” o estilo de “baião”, supostamente uma apócope de “baiano”, termo pejorativo usado para designar “gente chegada do norte” (!?).

A apresentação de “Cocos do Norte” retoma essa polêmica levantada por Rosil, mas a intenção é outra. O próprio Gonzagão dizia que tocava os ritmos aprendidos nas regiões por onde passou com sua sanfona. O importante aqui é percebermos quão ricas e diversas são as manifestações culturais no Brasil.

Sem cair na armadilha que é a divisão das culturas em “popular” e “erudito”, apresentamos um repertório vasto de possibilidades. A grande meta é alcançar uma sensibilidade sonora e performática que possa refletir o nosso olhar sobre a musicalidade brasileira.

Seja qual for o nome dado a essas práticas culturais, jamais conseguiremos definir exatamente de onde veio cada uma delas. Relevante mesmo é viver as distintas interpretações dos grupos que as praticam por todo o país. Cada qual a sua maneira contribui com as dinâmicas das culturas brasileiras. Assim também o fazemos, ao nos utilizarmos dos recursos disponíveis (analógicos ou digitais).

Mas deixemos de conversa e mergulhemos nos sons dos tambores, das vozes nasaladas, nos “trava-línguas”, nas cordas falantes... Deixemos as ondas conduzirem o balanço do corpo, num toque sincopado ou num groove de baixo eletrônico.
Dance, sue e pense!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A brincadeira do coco no Ceará: um estudo dos saberes, das performances e dos rituais.

Artigo apresentado no XIII Congresso Brasileiro de Folclore
GT - 10 - Danças e Festas Populares

Realizado em Fortaleza-CE, entre 18 e 22 de Setembro de 2007.


Ninno Amorim(1)

Palavras chave: coco – cultura popular – dança

Este texto procura interpretar a brincadeira do coco como uma manifestação cultural praticada no litoral do Ceará. Os grupos aqui estudados moram nos distritos de Jacaúna(2) (Iguape) e de Balbino, situados nos municípios de Aquiraz e Cascavel, respectivamente.

Tendo em vista a grande variedade de classificações atribuídas ao coco (coco de Helena, de ganzá, sapateado etc.), limito-me, por enquanto, a designar essa prática cultural com o termo coco, que neste texto tem um sentido mais genérico, compreendendo a brincadeira de um modo geral.

A brincadeira do coco: música, canto, dança e poesia oral

A manifestação cultural denominada “coco” pode ser encontrada, praticamente, em todo o litoral do nordeste brasileiro. Segundo o folclorista Edison Carneiro (1982: 71-3), sua origem re…

POR QUE RORAIMA É TÃO ANTI-INDÍGENA?

UMA RESPOSTA AO TEXTO: PRÓXIMA GUERRA
ou
POR QUE RORAIMA É TÃO ANTI-INDÍGENA?
ou ainda
MITOLOGIAS GÖEBBELIANAS

Oi Fabi

Raoni falando...

Olha só, vivo e trabalho aqui na Amazônia faz mais de 3 anos como arqueólogo do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), no AM e em RR (você me conheceu aqui) desenvolvendo projetos com os povos indígenas, com ong’s e com as universidades federais e estaduais além dos próprios governos estadual e federal. Inclusive já estive na Raposa Serra do Sol e fui muito bem recebido.
Acredito que esta pesquisadora, suposta autora ou redatora/relatora do texto “Próxima Guerra”, está completamente equivocada e está reproduzindo um discurso propositalmente construído pela grande mídia do sudeste, setores do Congresso, Senado Nacional e Palácio do Planalto apoiados e representando oligarquias agropecuárias de Roraima, do Mato Grosso, Rondônia, Pará, Goiás, SP, etc. Além de setores das próprias forças armadas interessadas na fragmentação das terras indígenas amaz…