Pular para o conteúdo principal

cocos, sambas, bailados...

Cocos do Norte
“Responda esse coco com palma de mão
Isso é coco do norte, nunca foi baião”
Rosil Cavalcanti

Afinem a mente e os quadris, pois os tambores e as cordas já estão a postos: batuques, sambas, bailados... Cocos do Norte. Um misto de “sotaques” bem brasileiros, com as influências mais diversas.

O título é uma alusão à música “Coco do Norte” do compositor paraibano Rosil Cavalcanti (parceiro inestimável de Jackson do Pandeiro) cujo refrão consta em epígrafe. Com essa música Rosil dava uma resposta enfática à possível invenção de um estilo musical chamado “Baião”, que consagraria Luiz Gonzaga como “Rei”.

A peleja começou nos idos dos anos 1940, quando o exímio sanfoneiro surgiu no Rio de Janeiro tocando ritmos por demais conhecidos do público “nortista” (cocos, xotes, xaxados etc.), acompanhado por zabumba e triângulo (vindos de Pernambuco para compor o hoje tradicional “trio nordestino”). A imprensa carioca “batizou” o estilo de “baião”, supostamente uma apócope de “baiano”, termo pejorativo usado para designar “gente chegada do norte” (!?).

A apresentação de “Cocos do Norte” retoma essa polêmica levantada por Rosil, mas a intenção é outra. O próprio Gonzagão dizia que tocava os ritmos aprendidos nas regiões por onde passou com sua sanfona. O importante aqui é percebermos quão ricas e diversas são as manifestações culturais no Brasil.

Sem cair na armadilha que é a divisão das culturas em “popular” e “erudito”, apresentamos um repertório vasto de possibilidades. A grande meta é alcançar uma sensibilidade sonora e performática que possa refletir o nosso olhar sobre a musicalidade brasileira.

Seja qual for o nome dado a essas práticas culturais, jamais conseguiremos definir exatamente de onde veio cada uma delas. Relevante mesmo é viver as distintas interpretações dos grupos que as praticam por todo o país. Cada qual a sua maneira contribui com as dinâmicas das culturas brasileiras. Assim também o fazemos, ao nos utilizarmos dos recursos disponíveis (analógicos ou digitais).

Mas deixemos de conversa e mergulhemos nos sons dos tambores, das vozes nasaladas, nos “trava-línguas”, nas cordas falantes... Deixemos as ondas conduzirem o balanço do corpo, num toque sincopado ou num groove de baixo eletrônico.
Dance, sue e pense!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A brincadeira do coco no Ceará: um estudo dos saberes, das performances e dos rituais.

Artigo apresentado no XIII Congresso Brasileiro de Folclore
GT - 10 - Danças e Festas Populares

Realizado em Fortaleza-CE, entre 18 e 22 de Setembro de 2007.


Ninno Amorim(1)

Palavras chave: coco – cultura popular – dança

Este texto procura interpretar a brincadeira do coco como uma manifestação cultural praticada no litoral do Ceará. Os grupos aqui estudados moram nos distritos de Jacaúna(2) (Iguape) e de Balbino, situados nos municípios de Aquiraz e Cascavel, respectivamente.

Tendo em vista a grande variedade de classificações atribuídas ao coco (coco de Helena, de ganzá, sapateado etc.), limito-me, por enquanto, a designar essa prática cultural com o termo coco, que neste texto tem um sentido mais genérico, compreendendo a brincadeira de um modo geral.

A brincadeira do coco: música, canto, dança e poesia oral

A manifestação cultural denominada “coco” pode ser encontrada, praticamente, em todo o litoral do nordeste brasileiro. Segundo o folclorista Edison Carneiro (1982: 71-3), sua origem re…

Todos os ritmos do paraibano errante - por Tárik de Souza

Um dos artífices da MPB, Jackson do Pandeiro tem 50 anos de carreira reunidos em álbum duplo

Arquivo

Jackson do Pandeiro, que morreu em 1982, teve que enfrentar, no Rio, o ciúme do rei do baião Luiz Gonzaga, que o chamava de palhaço

Crítica/disco

Com um ano de atraso - vá lá, alguns meses - sai uma modesta homenagem ao cinqüentenário de carreira do paraibano Jackson do Pandeiro (1919-1982), um dos grandes artífices da MPB. O CD duplo Jackson do Pandeiro - 50 anos de ritmos (EMI) - montado pelo produtor Marcelo Fróes com 50 fonogramas compilados da passagem do cantor/autor pela finada gravadora Copacabana - fornece um bom panorama de sua carreira errante, iniciada em novembro de 1953 (ele passaria por outras cinco gravadoras) com a explosão do 78 rotações contendo de um lado Forró em Limoeiro (Edgar Ferreira) e de outro Sebastiana (Rosil Cavalcanti).

Ocorreu uma situação oposta a estes tempos espalhafatosos de Celebridades e BBB. Com o disco estourado no Sul, mais de 50 mil cópias vendi…