Pular para o conteúdo principal

Convite (Ninno Amorim)


Balance o corpo
Nesse coco sem sufoco
Não tenha medo, não corra...
Que a festa vai começar.

Segure o coco
Na zabumba, no pandeiro.
Meu repente é brasileiro
Na batida do ganzá.

Nessa vida só se colhe o que se planta
E você não adianta querer me engalobar.
Não seja besta, chegue cá, entre na roda!
O coco não sai de moda, qualquer um pode dançar.

Dança casal, mulher solteira, homem solteiro,
Nesse meu coco brejeiro o preconceito não está.
Gente daqui e gente lá do estrangeiro
Todo mundo no terreiro faz o corpo balançar.

Meu coco é norte, é centro, sul e sertão,
É Brasil de chão a chão, vai do sul a Macapá...
E sobe a serra, desce o rio e vai à mata:
É um nó que não desata, sua sina é batucar.

Comentários

profeta disse…
não sou saudoso, mas gosto muito da musica raiz. visto que tem muita gente cantando besteira por ai. (querendo fazr do nosso ouvido pinico) gostei do repertorio de cocos do norte.o ritimo e as letras nos levam de encontro com o que ainda resta de bom na musica brasileira. vaqleu!
Ninno Amorim disse…
Valeu. cumpádi.

Grande abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

A brincadeira do coco no Ceará: um estudo dos saberes, das performances e dos rituais.

Artigo apresentado no XIII Congresso Brasileiro de Folclore
GT - 10 - Danças e Festas Populares

Realizado em Fortaleza-CE, entre 18 e 22 de Setembro de 2007.


Ninno Amorim(1)

Palavras chave: coco – cultura popular – dança

Este texto procura interpretar a brincadeira do coco como uma manifestação cultural praticada no litoral do Ceará. Os grupos aqui estudados moram nos distritos de Jacaúna(2) (Iguape) e de Balbino, situados nos municípios de Aquiraz e Cascavel, respectivamente.

Tendo em vista a grande variedade de classificações atribuídas ao coco (coco de Helena, de ganzá, sapateado etc.), limito-me, por enquanto, a designar essa prática cultural com o termo coco, que neste texto tem um sentido mais genérico, compreendendo a brincadeira de um modo geral.

A brincadeira do coco: música, canto, dança e poesia oral

A manifestação cultural denominada “coco” pode ser encontrada, praticamente, em todo o litoral do nordeste brasileiro. Segundo o folclorista Edison Carneiro (1982: 71-3), sua origem re…

Todos os ritmos do paraibano errante - por Tárik de Souza

Um dos artífices da MPB, Jackson do Pandeiro tem 50 anos de carreira reunidos em álbum duplo

Arquivo

Jackson do Pandeiro, que morreu em 1982, teve que enfrentar, no Rio, o ciúme do rei do baião Luiz Gonzaga, que o chamava de palhaço

Crítica/disco

Com um ano de atraso - vá lá, alguns meses - sai uma modesta homenagem ao cinqüentenário de carreira do paraibano Jackson do Pandeiro (1919-1982), um dos grandes artífices da MPB. O CD duplo Jackson do Pandeiro - 50 anos de ritmos (EMI) - montado pelo produtor Marcelo Fróes com 50 fonogramas compilados da passagem do cantor/autor pela finada gravadora Copacabana - fornece um bom panorama de sua carreira errante, iniciada em novembro de 1953 (ele passaria por outras cinco gravadoras) com a explosão do 78 rotações contendo de um lado Forró em Limoeiro (Edgar Ferreira) e de outro Sebastiana (Rosil Cavalcanti).

Ocorreu uma situação oposta a estes tempos espalhafatosos de Celebridades e BBB. Com o disco estourado no Sul, mais de 50 mil cópias vendi…