Pular para o conteúdo principal

Convite (Ninno Amorim)


Balance o corpo
Nesse coco sem sufoco
Não tenha medo, não corra...
Que a festa vai começar.

Segure o coco
Na zabumba, no pandeiro.
Meu repente é brasileiro
Na batida do ganzá.

Nessa vida só se colhe o que se planta
E você não adianta querer me engalobar.
Não seja besta, chegue cá, entre na roda!
O coco não sai de moda, qualquer um pode dançar.

Dança casal, mulher solteira, homem solteiro,
Nesse meu coco brejeiro o preconceito não está.
Gente daqui e gente lá do estrangeiro
Todo mundo no terreiro faz o corpo balançar.

Meu coco é norte, é centro, sul e sertão,
É Brasil de chão a chão, vai do sul a Macapá...
E sobe a serra, desce o rio e vai à mata:
É um nó que não desata, sua sina é batucar.

Comentários

profeta disse…
não sou saudoso, mas gosto muito da musica raiz. visto que tem muita gente cantando besteira por ai. (querendo fazr do nosso ouvido pinico) gostei do repertorio de cocos do norte.o ritimo e as letras nos levam de encontro com o que ainda resta de bom na musica brasileira. vaqleu!
Ninno Amorim disse…
Valeu. cumpádi.

Grande abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

A brincadeira do coco no Ceará: um estudo dos saberes, das performances e dos rituais.

Artigo apresentado no XIII Congresso Brasileiro de Folclore
GT - 10 - Danças e Festas Populares

Realizado em Fortaleza-CE, entre 18 e 22 de Setembro de 2007.


Ninno Amorim(1)

Palavras chave: coco – cultura popular – dança

Este texto procura interpretar a brincadeira do coco como uma manifestação cultural praticada no litoral do Ceará. Os grupos aqui estudados moram nos distritos de Jacaúna(2) (Iguape) e de Balbino, situados nos municípios de Aquiraz e Cascavel, respectivamente.

Tendo em vista a grande variedade de classificações atribuídas ao coco (coco de Helena, de ganzá, sapateado etc.), limito-me, por enquanto, a designar essa prática cultural com o termo coco, que neste texto tem um sentido mais genérico, compreendendo a brincadeira de um modo geral.

A brincadeira do coco: música, canto, dança e poesia oral

A manifestação cultural denominada “coco” pode ser encontrada, praticamente, em todo o litoral do nordeste brasileiro. Segundo o folclorista Edison Carneiro (1982: 71-3), sua origem re…

POR QUE RORAIMA É TÃO ANTI-INDÍGENA?

UMA RESPOSTA AO TEXTO: PRÓXIMA GUERRA
ou
POR QUE RORAIMA É TÃO ANTI-INDÍGENA?
ou ainda
MITOLOGIAS GÖEBBELIANAS

Oi Fabi

Raoni falando...

Olha só, vivo e trabalho aqui na Amazônia faz mais de 3 anos como arqueólogo do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), no AM e em RR (você me conheceu aqui) desenvolvendo projetos com os povos indígenas, com ong’s e com as universidades federais e estaduais além dos próprios governos estadual e federal. Inclusive já estive na Raposa Serra do Sol e fui muito bem recebido.
Acredito que esta pesquisadora, suposta autora ou redatora/relatora do texto “Próxima Guerra”, está completamente equivocada e está reproduzindo um discurso propositalmente construído pela grande mídia do sudeste, setores do Congresso, Senado Nacional e Palácio do Planalto apoiados e representando oligarquias agropecuárias de Roraima, do Mato Grosso, Rondônia, Pará, Goiás, SP, etc. Além de setores das próprias forças armadas interessadas na fragmentação das terras indígenas amaz…