Pular para o conteúdo principal

Roza Cirandeira (Ninno Amorim)



O vento traz
As ondas do mar

Roza negra cirandeira
Balance essa saia
Que eu quero dançar
Ô ô ô ô

O vento traz
As ondas do mar

Seja noite eternamente
Nos raios da lua
Quero me banhar
Ô ô ô ô

Oh! Roza cirandeira!

Vem pra perto do meu barco
Temperar a tua pele
Vem me dar a alegria
Que brota do teu navegar.
(Ô ô ô ô )

Comentários

Betomenezes disse…
Oi ninno, adorei teu blog e brigado por ter linkado o meu nele, vou fazer o mesmo com o teu
Éden Barbosa disse…
salve Ninno!! Grande iniciativa, mais um veículo pra idéias e poesia. E vamos nessa... Por sinal ficou legal o vídeo? Abraço! Éden Barbosa
camila disse…
O blog tá ótimo!!!
Quero ver as outras músicas aqui tb!!! bju

Postagens mais visitadas deste blog

A brincadeira do coco no Ceará: um estudo dos saberes, das performances e dos rituais.

Artigo apresentado no XIII Congresso Brasileiro de Folclore
GT - 10 - Danças e Festas Populares

Realizado em Fortaleza-CE, entre 18 e 22 de Setembro de 2007.


Ninno Amorim(1)

Palavras chave: coco – cultura popular – dança

Este texto procura interpretar a brincadeira do coco como uma manifestação cultural praticada no litoral do Ceará. Os grupos aqui estudados moram nos distritos de Jacaúna(2) (Iguape) e de Balbino, situados nos municípios de Aquiraz e Cascavel, respectivamente.

Tendo em vista a grande variedade de classificações atribuídas ao coco (coco de Helena, de ganzá, sapateado etc.), limito-me, por enquanto, a designar essa prática cultural com o termo coco, que neste texto tem um sentido mais genérico, compreendendo a brincadeira de um modo geral.

A brincadeira do coco: música, canto, dança e poesia oral

A manifestação cultural denominada “coco” pode ser encontrada, praticamente, em todo o litoral do nordeste brasileiro. Segundo o folclorista Edison Carneiro (1982: 71-3), sua origem re…

POR QUE RORAIMA É TÃO ANTI-INDÍGENA?

UMA RESPOSTA AO TEXTO: PRÓXIMA GUERRA
ou
POR QUE RORAIMA É TÃO ANTI-INDÍGENA?
ou ainda
MITOLOGIAS GÖEBBELIANAS

Oi Fabi

Raoni falando...

Olha só, vivo e trabalho aqui na Amazônia faz mais de 3 anos como arqueólogo do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), no AM e em RR (você me conheceu aqui) desenvolvendo projetos com os povos indígenas, com ong’s e com as universidades federais e estaduais além dos próprios governos estadual e federal. Inclusive já estive na Raposa Serra do Sol e fui muito bem recebido.
Acredito que esta pesquisadora, suposta autora ou redatora/relatora do texto “Próxima Guerra”, está completamente equivocada e está reproduzindo um discurso propositalmente construído pela grande mídia do sudeste, setores do Congresso, Senado Nacional e Palácio do Planalto apoiados e representando oligarquias agropecuárias de Roraima, do Mato Grosso, Rondônia, Pará, Goiás, SP, etc. Além de setores das próprias forças armadas interessadas na fragmentação das terras indígenas amaz…