Pular para o conteúdo principal

Que interesses estão por trás da negação da etnicidade dos índios no Ceará?

A história dos índios no Ceará é marcada por um intenso processo de lutas e resistências. Lutas contra as invasões que desde o início do século XVII tentam expulsá-los de seus territórios tradicionais. Resistências contra as tentativas de negação de suas existências e culturas. Após décadas de invisibilidade, ressurgem no final da década de 1970 e, mobilizados politicamente em torno do reconhecimento de suas identidades étnicas, retomam a luta de seus ancestrais por terra, reconhecimento étnico-cultural e dignidade.

No ano passado, ouvimos atônitos notícias semelhantes às pronunciadas nos meados do século XIX, de que no Ceará não haviam mais povos nativos. Afirmavam, na ocasião, que os Jenipapo-Kanindé da Lagoa da Encantada, município de Aquiraz, não eram índios, mas invenções de intelectuais e organizações não-governamentais. Agora, o velho discurso etnocêntrico, preconceituoso, estereotipado e sem fundamentação cientifica, histórica e/ou antropológica tenta negar a presença dos Tremembé, um dos primeiros grupos a levantar a bandeira da etnicidade no Ceará, e que constam em relatos históricos como moradores do litoral norte do estado desde, pelo menos, o século XVII.

Que interesses estão por trás da negação da etnicidade dos índios no Ceará?

Não foi à toa que a última assembléia indígena no Ceará foi realizada no município de Itapipoca, na aldeia São José e Buriti, em novembro de 2007. A situação em Itapipoca é conhecida: diversas denúncias feitas por moradores afirmam a situação de tensão e medo que paira no ar, por conta destas disputas territoriais, estimuladas por interesses de grupos estrangeiros aliados às elites locais.

Não é de se estranhar que o mesmo estado que negou a existência de índios no Ceará durante toda a segunda metade do século XIX, venha hoje apoiar empreendimentos, mais uma vez europeus, como a empresa colonizadora da ‘modernidade’ dos séculos XVI, XVII e XVIII. Empreendimentos que, mais uma vez, têm na apropriação da terra e na utilização de nativos como mão de obra barata sua lógica, sob a justificativa de que trarão o famigerado ‘progresso’ e 'desenvolvimento'.

No alvorecer da modernidade discutia-se se os índios tinham alma, se eram gente, pois se não o fossem, poderiam ser escravizados e ter suas terras legitimamente apossadas pelos invasores. Hoje, a justificativa de que as populações tradicionais não são indígenas bastam para sua expulsão dos locais onde vivem há várias gerações.

Concomitantemente à construção deste discurso, as elites locais impõem à sociedade cearense um projeto de modernização capitalista que está modificando completamente sua paisagem, com a construção de uma complexa infra-estrutura que visa possibilitar a imersão efetiva do estado nas malhas do neoliberalismo capitalista mundializado. Sob a capa do velho discurso do progresso, prometem emprego e desenvolvimento. Na verdade, um projeto de desenvolvimento nitidamente elitista e concentrador de renda, insustentável, explorador de recursos humanos e naturais com fortes impactos no modo de vida das populações indígenas e tradicionais, tanto do sertão quanto do litoral.

A problemática da etnicidade no Ceará coloca-se cada vez como um fator mais complexo no contexto das relações político-econômicas locais e externas. A agressiva especulação imobiliária avança Ceará adentro sem nenhuma preocupação com os impactos sócio-ambientais por ela ocasionada. O que importa nestes casos é saber se o Estado concede meios legais e estruturais para receber os recursos internacionais tão sonhados pelas elites industriais e agrárias locais, em outras palavras, se está apto para incorporar-se definitivamente ao projeto de modernização capitalista.
Fica bem claro, nas matérias veiculadas na mídia impressa local e nas falas dos políticos que estiveram em Itapipoca recentemente, de que lado eles estão e que interesses estão defendendo em sua atuação nos cargos para os quais foram eleitos.

Não é de assustar que mais uma vez uma grande empresa, desta vez apoiada pela grande mídia e pelo Governo Estadual, venha a negar a existência de povos indígenas no Ceará. Afinal de contas, a existência de populações indígenas organizadas emperram o projeto político e econômico em curso, pois pressupõe a existência de terras tradicionais por eles habitadas, que não podem ser vendidas quiçá roubadas, por quem quer que seja, uma vez que estão protegidas por lei federal desde 1988.
As comunidades indígenas organizadas no Ceará, que totalizam cerca de doze etnias e mais de 20 agrupamentos, afirmam sua etnicidade e se mobilizam pelo reconhecimento e demarcação de suas terras. É imprescindível denunciarmos a falsidade deste discurso ancorado em declarações infundadas, baseadas numa visão estereotipada há tanto ultrapassada, de que não existem mais índios no Ceará, ou de que os índios que existem na região de Itapipoca se travestem a partir de invenções de intelectuais e organizações não-governamentais.

Resta-nos, antes de tudo, um posicionamento. Desmascarar estas afirmações e apoiar mais uma vez a luta destes povos, dando visibilidade às suas ações políticas e o apoio jurídico e científico necessários à demarcação definitiva de seus territórios. Tornamos nossa a consigna dos índios no Ceará: NÃO NOS VENDEMOS NEM NOS RENDEMOS!

Alexandre Gomes e João Paulo Vieira, historiadores e integrantes do Projeto Historiando*

*O Projeto Historiando realiza um programa de educação patrimonial em comunidades étnicas no Ceará, apoiando a criação de museus indígenas que atuem como espaços de formação, mobilização e organização comunitária.

Comentários

Tô doida pra comentar os textos postados... mais tô sem tempo. Prometo comentar em breve! Bjos
Thaissa disse…
adorei o blog!
Betomenezes disse…
essa conversa me dá fome. Pera....

Postagens mais visitadas deste blog

A brincadeira do coco no Ceará: um estudo dos saberes, das performances e dos rituais.

Artigo apresentado no XIII Congresso Brasileiro de Folclore
GT - 10 - Danças e Festas Populares

Realizado em Fortaleza-CE, entre 18 e 22 de Setembro de 2007.


Ninno Amorim(1)

Palavras chave: coco – cultura popular – dança

Este texto procura interpretar a brincadeira do coco como uma manifestação cultural praticada no litoral do Ceará. Os grupos aqui estudados moram nos distritos de Jacaúna(2) (Iguape) e de Balbino, situados nos municípios de Aquiraz e Cascavel, respectivamente.

Tendo em vista a grande variedade de classificações atribuídas ao coco (coco de Helena, de ganzá, sapateado etc.), limito-me, por enquanto, a designar essa prática cultural com o termo coco, que neste texto tem um sentido mais genérico, compreendendo a brincadeira de um modo geral.

A brincadeira do coco: música, canto, dança e poesia oral

A manifestação cultural denominada “coco” pode ser encontrada, praticamente, em todo o litoral do nordeste brasileiro. Segundo o folclorista Edison Carneiro (1982: 71-3), sua origem re…

POR QUE RORAIMA É TÃO ANTI-INDÍGENA?

UMA RESPOSTA AO TEXTO: PRÓXIMA GUERRA
ou
POR QUE RORAIMA É TÃO ANTI-INDÍGENA?
ou ainda
MITOLOGIAS GÖEBBELIANAS

Oi Fabi

Raoni falando...

Olha só, vivo e trabalho aqui na Amazônia faz mais de 3 anos como arqueólogo do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), no AM e em RR (você me conheceu aqui) desenvolvendo projetos com os povos indígenas, com ong’s e com as universidades federais e estaduais além dos próprios governos estadual e federal. Inclusive já estive na Raposa Serra do Sol e fui muito bem recebido.
Acredito que esta pesquisadora, suposta autora ou redatora/relatora do texto “Próxima Guerra”, está completamente equivocada e está reproduzindo um discurso propositalmente construído pela grande mídia do sudeste, setores do Congresso, Senado Nacional e Palácio do Planalto apoiados e representando oligarquias agropecuárias de Roraima, do Mato Grosso, Rondônia, Pará, Goiás, SP, etc. Além de setores das próprias forças armadas interessadas na fragmentação das terras indígenas amaz…